Das medidas provisórias ao veto provisório
19 de junho de 2017

Caminhei no sertão de Riobaldo e de Diadorim… andei pelo Cerrado com outros olhos, vi nas paisagens modificadas, um sertão que não é mais infinito, mas que guarda o infinito dentro de si…  De lá, trouxe uma carta:

Riobaldo,

Mire e veja. Eu digo, o mundo mudou muito desde suas andanças pelo grande sertão, mas viver continua perigoso. O sertão segue sendo um mundo, mas meio que não é mais… O Urucúia, rio de seu amor, mingua e o bom peixe novo, que sempre se comia, pescado fácil, está sumido. O Urucúia talvez não esteja mais sempre, ele corre ainda mas morre ao mesmo tempo. A Vereda Morta não é mais um nome e sim uma regra. Os buritis rareiam e mal reviram suas altas palmas. Por toda parte, há areia, onde havia água.

Como em outras épocas, agora talvez ainda mais, são muitos os fazendeiros-mor, sujeitos da terra definitivo, com todo poder do seu lado, e os jagunços e o povo não passam de ser muito provisórios. Onde o mundo era vazio, só boi e campo, se tornou ainda mais vazio, só soja, pastagens degradadas e veneno… muito veneno.

Veneno nos campos, nas comidas que vão ser, veneno nas cabeças, mal servidas ao Demo, mas bem servidas aos patrões. Disserto assim, pois, em conformidade não é possível estar. Adiantou, não canso de me perguntar, lutarmos com tanta coragem e destemor, contra aqueles judas, para vingar nosso chefe e sem medo, desjagunçar e descansar acreditando que nosso dever, tínhamos cumprido? E deixar o Grande Sertão, com suas verdes veredas, seus campos verdejantes e seus mais belos pássaros nas mãos de judas ainda mais traiçoeiros? Hoje-em-dia eu nem sei o que sei, e, o que soubesse, deixei de saber o que sabia…

Em nossos sonhos mais duros, em nossas ilusões sobre as cidades grandes, nada imaginamos como esse futuro para o Sertão. Gente mais pobre, cidades cheias de beiradas escorrendo sertanejos de outrora. Seu medo do homem humano tinha razão de ser. Homem humano que destrói querendo fazer de tudo que é diverso, uma coisa igual. A jagunçagem e as guerras dos bandos mimetizadas na cidade, a vida que nada vale, sem coragem, nem sonho.

A travessia dos tempos, com suas encruzilhadas, não deixa duvidar, o Diabo não existe pois sua maldade nem bem espelha a do homem humano. Esse, sim, se multiplica em Hermógenes, naqueles em cujo mal floresce, frutifica e apodrece a alma. Esse mal viceja na planta da soja, prenhe de um veneno de morte, no fim dos campos do sertão e no mundo vazio de gente e cheio de bois.

Pensávamos que quem guerreava era o bicho e não o homem, mas agora desconfio que bicho nenhum guerreia como homem humano. Bicho nenhum destrói, aniquila, desfaz, elimina, extermina, arruina dessa maneira.

Tem trechos que a vida amolece a gente tanto que resta ser atropelado pelo tempo liso, sem ter onde pegar, sem onde sequer se pode pendurar uma muda de roupa ou uma esperança descolorida. Em um mundo que é o sertão e num sertão que é o mundo, mas onde nada mais é, onde fica a coragem? E se o sertão não é mais, o mundo tampouco será?

As cartas demoravam a chegar de um lugar a outro no sertão, hoje tudo é mais rápido. Melhor seria? Não sei, cada dia é um dia, carece não de alisar o tempo… Essa demorou quase cem anos para ser escrita… mas quando o amor é muito, coração nem é meio destino e sim destino e meio.

Sua D.

 

Para quem quiser saber que história é essa de caminhar no sertão, dá uma olhada aqui: https://ocaminhodosertao.wordpress.com

A foto aí acima é da Sarah Bretas, caminhante companheira desse caminho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *