Sedentos e virtualmente sedentos
25 de março de 2017

Ter um cachorro parece tão natural que, em geral, a gente nem pensa como começou essa nossa relação, tão íntima, com esses animais. O cão parece ter sido o primeiro animal a ser domesticado, mas se a domesticação tinha como objetivo maior garantir estoques alimentares constantes, por exemplo de carne, como se explicaria a domesticação do cachorro?

Uma paleoantropóloga, da Universidade Estadual da Pennsylvania, nos Estados Unidos, Pat Shipman, publicou um artigo na revista Current Anthropology e escreveu um livro, dirigido ao público leigo, intitulado “The Animal Connection” defendendo a ideia de que a conexão especial que os humanos possuem com as outras espécies foi fundamental na história da nossa espécie. Segundo ela, observar as estratégias e hábitos de outros predadores, que competiam com os ancestrais dos humanos, e trocar informações sobre o tema foram essenciais para a evolução de dois atributos humanos, a linguagem e o uso de ferramentas.

No caso do cachorro, em particular, Pat Shipman afirma que o processo de domesticação se explica pois o cão é uma “ferramenta viva”, ajuda a encontrar animais a serem caçados e a controlar os roedores. Não podemos esquecer, porém, que em algumas culinárias, como a asiática, os cães são parte integrante do cardápio. Por outro lado, nos primórdios do processo de domesticação, a relação custo-benefício de criar um cachorro, quase um lobo, que consumia uma significativa quantidade de carne, para comer depois não parece muito razoável. A não ser que o gosto fosse muito bom…

Li recentemente que os sul-coreanos acreditam que comer carne de cachorro assegura proteção contra algumas doenças e que a tradição reza que se deve comer a tradicional sopa de cachorro apenas em dias muito especiais, os chamados “dias de cachorro”. Parece que durante a Copa do Mundo de 2002, chegaram a proibir o consumo para não deixar os turistas chocados, mas agora o consumo vem aumentando significativamente. Nas Olimpíadas de Pequim aconteceu a mesma coisa, e a carne de cachorro foi proibida também. Talvez, haja mais nessa conexão animal…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *